Fundação Tide Setubal: Gênero Como Tema Transversal

São Miguel Paulista é um distrito da região leste do município de São Paulo com quase 100 mil habitantes e Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,451, de acordo com o relatório do desenvolvimento humano do PNUD (2011). É lá que a Fundação Tide Setubal trabalha desde 2005 para melhorar a qualidade de vida da da população daquela região. Foram as necessidades desta comunidade que levaram a instituição a incluir questões de gênero em seus programas.

A inspiração da Fundação Tide Setubal começou 30 anos antes, com Mathilde (Tide) de Azevedo Setubal. Como primeira dama da cidade de São Paulo, ela promoveu ações de desenvolvimento inovadoras para a época: em lugar de assistencialismo, Tide salientava a importância de integrar recursos e parceiros. Em sua visão, isso permitia a conscientização a respeito de cada cidadão ser responsável por sua comunidade.

Em 2005, os filhos de Tide instituíram a Fundação que a homenageia. Na história da Fundação e da família de Tide, cada geração traz uma única mulher, sempre dedicada ao desenvolvimento humano: a própria Tide teve apenas um irmão; sua filha Maria Alice, primeira idealizadora da Fundação, foi a única menina de sete filhos; esta, por sua vez, teve dois meninos e apenas uma menina – a quem deu o nome de Tide, em homenagem à mãe. A neta já atuou na Fundação: foi quem criou o programa Menina Mulher (que depois se tornou o programa Mundo Jovem).

As ações da Fundação Tide Setubal são orientadas por três objetivos estratégicos: (i) conferir maior proteção a jovens; (ii) ampliar o alcance de ações de desenvolvimento; e (iii) valorizar o vínculo com a cidade e seus patrimônios tangíveis e intangíveis. A organização aplica a visão de Tide: parte da atuação consiste em mobilizar redes e agentes do território e fortalecer instituições locais por meio da capacitação de professores e educadores.

Além disso, as ações da Fundação Tide Setubal incluem cogestão de espaços públicos e atendimento a jovens e famílias, aos quais proporciona, entre outros benefícios, esporte, cultura, comunicação, lazer e espaços de reflexão (sobre cidadania, violência, drogas, sexualidade etc.). Dessa forma, a organização promove o desenvolvimento sustentável e o empoderamento social da população de São Miguel Paulista.

O trabalho da Fundação Tide Setubal começou em torno de um dos espaços públicos que levavam o nome da antiga primeira dama: o Clube da Comunidade Tide Setubal, que oferecia principalmente futebol para meninos. A primeira tarefa foi mapear, com auxílio do IBOPE, as demandas do território. Esta pesquisa revelou questões de gênero especialmente para jovens. Havia grande desigualdade no acesso às oportunidades de desenvolvimento: os meninos podiam sair, praticavam esporte ou trabalhavam desde muito cedo (em subempregos); já as meninas só podiam ir à escola e o restante de seu tempo era dedicado a cuidar da casa e dos irmãos.

Foi nesse cenário que a Fundação Tide Setubal criou o programa Menina Mulher, para atrair as meninas para o Clube. Eram realizados passeios culturais e oficinas participativas, lúdicas e reflexivas, abordando temas como família, sexualidade, saúde e alimentação. Essas atividades serviam para fortalecer o projeto de vida das meninas e oferecer a elas mais oportunidades de lazer e cultura, especialmente aproximando-as dos equipamentos públicos da região. Além disso, os treinos de esporte abriram espaço para discussões sobre cidadania: foram contratadas também instrutoras mulheres para futebol; e outros esportes, como vôlei e basquete, também atraíram meninas.

Com o tempo, o Menina Mulher ganhou reconhecimento e a Fundação Tide Setubal passou a atuar nas escolas e outros equipamentos públicos nesse contexto, de maneira mais integrada com os meninos. Considerou-se então que o objetivo inicial de atrair meninas para o Clube tinha sido alcançado. Daí em diante, sob o nome Espaço Jovem, as oficinas reflexivas começaram a ter aumento na participação de meninos, e o trabalho passou a envolver ambos os gêneros simultaneamente, dinamizando e enriquecendo os debates.

Em 2008, a metodologia do trabalho com adolescentes foi sistematizada em duas publicações1 e o programa passou a se chamar Mundo Jovem, focado em adolescentes de 12 a 18 anos. Atualmente, o Clube atende 1.200 jovens por ano, e oferece também formações culturais. As atividades do Mundo Jovem também ocorrem em outro espaço cogerido pela Fundação Tide Setubal: o Galpão de Cultura e Cidadania. Além disso, a atuação se ampliou para abranger formação para educadores da rede pública e da sociedade, assessoria metodológica e temática para organizações locais e participação em fóruns comunitários e de juventude do território. As questões de gênero, de todo modo, permaneceram no centro da pauta, pois aparecem nos sete temas específicos com os quais o Mundo Jovem trabalha: identidade e diversidade, corpo, sexualidade, família, drogas, profissão e trabalho, e cidadania. Esta transversalidade se evidencia nas discussões realizadas pelos jovens, nas capacitações e nas publicações do programa.

O mesmo ocorre no programa Ação Família, criado pela Fundação Tide Setubal em 2006, com inspiração e capacitação do programa homônimo da Secretaria Municipal de Assistência Social. O programa busca aproximar famílias entre si e facilitar o acesso à oferta de recursos da comunidade (especialmente a escola), além de estimular a demanda por tais recursos.

O Ação Família aborda cinco eixos: educação, saúde, habitabilidade, trabalho e renda, e solidariedade vicinal.

O trabalho é inicialmente realizado por meio de visitas domiciliares, cadastramentos e reuniões socioeducativas com parceiros da região. Estes serviços permitem o estabelecimento de metas familiares nos eixos citados, as quais passam a ser cultivadas no acompanhamento das famílias e em outras atividades de desenvolvimento, como oficinas. Um exemplo é a Oficina Escola de Culinária Jardim Lapenna, criada em 2008, que atende 500 mulheres por ano e oferece capacitações para inserção da mulher no mercado de trabalho, educação e formação profissional, empreendedorismo econômico e geração de renda. As atividades são conduzidas principalmente nas escolas e organizações locais, além dos espaços públicos em que a Fundação atua (como o Galpão de Cultura e Cidadania).

Este programa apoia o desenvolvimento de 151 famílias da região e o principal agente de avanço desses núcleos familiares, encontra-se no gênero feminino: são as mães (ou avós ou irmãs ou tias) que participam das atividades e estimulam o desenvolvimento dos demais membros da família.

Tanto no Mundo Jovem quanto no Ação Família, a importância do tema de gênero emerge mais por condição da comunidade do que por desígnio da Fundação Tide Setubal – mesmo a criação do programa Menina Mulher já era uma resposta ao mapeamento do território. Em ambos os casos, o empoderamento de meninas e mulheres tem um forte aspecto psicossocial2: conseguir que elas passem a se enxergar como cidadãs – isto é, com o direito de usufruir das oportunidades e recursos da comunidade e de participar da definição das ações públicas.

A Fundação Tide Setubal pode ter começado a atuar com questões de gênero porque ouviu a comunidade, mas a partir daí passou a abordá-las estrategicamente. Com isso, fortalece não apenas pessoas mais vulneráveis devido a questões de gênero, mas que também aquelas que, ao mesmo tempo, são as principais agentes de desenvolvimento de São Miguel Paulista.

Comments